Detona Ralph /// Crítica

3 de January de 2013 / autor: / em: Cinema 2

detonaralphcartaz Detona Ralph /// CríticaRepleto de referências ao mundo dos videogames, Detona Ralph chega aos cinemas brasileiros com uma sequência já garantida, mas o que poderia ser uma franquia de sucesso se torna mais uma morosa lição de moral da Disney.

O longa escrito e dirigido por Rich Moore tem como protagonistas personagens dos videogames, mais especificamente aqueles que vivem em arcades, ou fliperamas, como são conhecidos em algumas partes do Brasil. O que estas criaturas pixeladas fazem em seu tempo livre, quando as crianças vão embora e as luzes se apagam? Será que os vilões dos games são realmente maus ou apenas desempenham um papel que, muitas vezes, pode os desagradar? Ralph se enquadra nesse perfil. Sua vida é, dia após dia, destruir um prédio para que o herói de seu jogo, Felix, possa consertá-lo, somar pontos e cair nas graças do público. Ralph deseja ser aceito, quer confraternizar com seus companheiros de profissão, mas é visto como um pária e só encontra consolo em um grupo de apoio onde também estão Bowzer, Zangief, Mr. Bison e outros vilões famosos dos games. É nesse tipo de referência que Detona Ralph ganha pontos, pois até o fim de seu primeiro ato parece que entraremos em uma viagem incrível através de vários tipos e mecânicas de jogos de fliperama. Infelizmente o roteiro se entrega à velha história de redenção do homem bruto mas de bom coração.

Logo no início do filme somos apresentados à mecânica daquele universo, onde personagens de vários games conseguem interagir, viajando de um aparelho a outro em uma espécie de linha férrea que utiliza a rede elétrica do fliperama. Enquanto o local está vazio, personagens de um jogo podem ir beber cerveja em um bar presente em outro ou interagir com criaturas de outros universos pixelados em uma espécie de estação central do mundo dos games. É através dessa conexão que Ralph (com voz original de John C. Reilly e versão brasileira de Tiago Abravanel), cansado dos destratos de seus companheiros de game, resolve abandonar seu posto para tentar ganhar uma medalha em outro jogo, o que lhe garantiria o respeito em sua própria casa. O que ele não sabe é, que ao deixar seu jogo abandonado, ele entra para a lista das máquinas com problema e será levada para manutenção, de onde, provavelmente, nunca retornará. Para evitar o pior, Félix (Jack McBrayer e Rafael Cortez) parte em busca de seu nêmesis para tentar convencê-lo a retornar a sua máquina e contará com a ajuda de Calhoun (voz original da impagável Jane Lynch de Glee), uma durona militar que tenta impedir que os inimigos de seu jogo, carregados por Ralph em sua fuga, dominem outras máquinas do fliper.

detonaralphmiolo Detona Ralph /// Crítica

É exatamente neste momento que o roteiro parece assumir uma cartilha da Disney para completar boas histórias com lições edificantes desnecessárias. Logo em seu segundo game visitado Ralph encontra Vanellope (Sarah Silverman e MariMoon), uma garotinha que acredita ser um tilt de um jogo de corrida para meninas. Começa então a conhecida jornada de redenção já vista em tantos, e muitos mais, filmes da Disney. Ralph interrompe sua busca para ajudar a garotinha em apuros e provar que seu coração é mais do que uma meia dúzia de pixels vermelhos. A prometida viagem através do mundo dos videogames é interrompida para a concretização de uma amizade em um mundo cheio de algodão doce e coisas fofas, enquanto poderia se desenrolar entre cenários familiares e queridos por boa parte do público.

No final das contas Detona Ralph é uma boa diversão para a família, mas poderia ter encantado muito mais o público que cresceu e ainda cresce com as aventuras e cenários dos fliperamas. Fica a sensação daquele ótimo jogo de videogame, em que você ficou preso muito tempo em uma fase chata, e acabou enjoando. Quem sabe com a continuação já garantida, e a presença do encanador Mario praticamente confirmada, melhores cenários e motes sejam introduzidos para fazer de Detona Ralph uma franquia realmente memorável.

Marton Santos
Editor do Páprica. Paga no máximo 50 pratas por uma foto do Homem-Aranha cometendo algum crime. Twitter Facebook

2 thoughts on “Detona Ralph /// Crítica

  1. [...] a sexo, erotismo e pornografia que marcaram o ano!Os posts mais memoráveis do Samurai LOL em 2012Detona Ralph /// CríticaA Morte do Demônio /// Sai novo trailer para maiores.Os momentos mais hilários do futebol em [...]

  2. [...] a sexo, erotismo e pornografia que marcaram o ano! Os posts mais memoráveis do Samurai LOL em 2012 Detona Ralph /// Crítica A Morte do Demônio /// Sai novo trailer para maiores. Os momentos mais hilários do futebol em [...]

Deixe um comentário

{showPane:false, bgC:'#e2e2e2', isPartner:true, partnerLabel:'Jovem'}