Papricast 213 /// Talento x Caráter

Quantas vezes já fomos pegos de surpresa com a notícia de um grande escândalo envolvendo uma figura talentosa do meio artístico? Desde os casos de agressão doméstica de Mel Gibson até o caso de estupro envolvendo Roman Polanski, muitos talentos da indústria do entretenimento já foram denunciados e expostos, mas quantos deles realmente tiveram alguma consequência de seus atos em sua vida? Nesse programa discutimos sobre o que deve prevalecer: talento ou caráter.

[DOWNLOAD]

Ficha Técnica: Nesse programa Marton Santos, Leonardo Santos, e Jaison Mafra arruma incomodação por 52 minutos.

O Justiceiro de Xangai

Padrim Papricast

CLIQUE AQUI E SE ASSOCIE AO PADRIM

Patreon Papricast

CLIQUE AQUI E SE ASSOCIE AO PAPRICAST

ASSINE NOSSO FEED!

Feed, RSS e iTunes: http://feeds.feedburner.com/Papricast Para assinar no iTunes, clique na aba Avançado, e Assinar Podcast. Cole o endereço e confirme. Assim você recebe automaticamente os novos episódios.

 

Compartilhe
Comente
  • Juliana Silva

    Muito legal o Papricast. Agora, o que me deixa num dilema também é que ( no caso dos diretores de cinema) um filme de Woody Allen não só tem Woody Allen tem o trabalho dos atores, dos figurinistas, da direção de arte. Eu vou boicotar um filme eu também vou deixar de ver essas coisas legais. Isso é que dá um nó na minha cabeça. Se fosse só parar de olhar pra cara do diretor era fácil. Mas um filme abrange muito mais coisas. O que vocês acham?

  • Luisa Maxwell

    Parabens meninos pelo episodio! Eh um assunto que precisa ser discutido sim e que pelo menos traz para a roda esse pensamento que muitas vezes eh ignorado pelas pessoas. So achei que seria bacana ter uma convidada mulher para trazer o olhar feminino sobre esses casos. Ainda mais por que se voce parar para pensar, vai perceber que todos os casos citados sao por que um homem bateu/espancou/estuprou/matou uma mulher.

  • Tony

    A pena de morte é a pena mais justa que existe e deveria começar a ser aplicada sempre àqueles que a sentenciam. Valar Morghulis!

  • Juliana Bárbara

    Que episódio ótimo! Sabe quando você já gosta de uma pessoa, do trabalho dela e tals e depois ainda descobre que a pessoa tem empatia, coração aberto, mente aberta e super bom senso? Então. Foi assim hoje comigo em relação a vocês. Eu sempre me divirto com esse podcast, mas nunca deixei um feedback pra vocês. Ó o vacilo!
    Gostei super. Só gostaria de deixar uma pequena sugestão: assuntos polêmicos merecem convidados. E neste específico, uma convidada teria sido show.
    Beijocas
    Ju

  • Beatriz Volpi

    E quanto ao goleiro Bruno, acho importante lembrarmos que existe uma diferença enorme entre ressocialização e o sucesso e até “canonização” que estão dando ao Bruno. Sou feminista e faço direito, e sou totalmente a favor da ressocialização do preso. Mas no caso do Bruno, estamos tratando de pessoas glorificando e admirando um homem que ainda está pagando pelo que fez, e apesar de ter cumprido todos os trâmites que possibilitaram a progressão de regime e o colocaram de volta na rua, não apresenta nenhuma melhora quanto a sua moral e valores.

    • Cau

      Exatamente Bia. E é importante que isso aconteça ate para não desumanizar as pessoas que cometem esses crimes tbm. É importante para que lembrem que abusador/estuprador são cidadãos de bem, pais de família, o amigo gente boa, o cineasta talentoso, o goleiro… não são monstros ou doentes. Pq abuso não é uma questão patológica, é relação de poder e dominação sobre o outro visto como inferior

  • Beatriz Volpi

    Sou ouvinte nova, meu namorado me apresentou o papricast. Dos que já ouvi, gostei de todos, mas confesso que achei vacilo não convidarem nenhuma mulher pra falar sobre o assunto dessa semana. Homens discutindo se separam ou não o talento do carater de homens que estupraram mulheres. Ta visivelmente faltando mulher nessa conversa.

    • martonsantos

      Oi Beatriz, nunca colocamos em xeque os crimes. Em nenhum momento é discutido se deve haver ou não boicote fazendo juízo de valor sobre os crimes. Enfim, não há juízo de valor e nem desmerecimento de nenhuma acusação. Existem podcasts que tem por política trazer sempre a pluralidade do debate, convidados com vários pontos de vista, mas nunca foi muito a nossa praia.

      Ter convidados todas as semanas, que tenham relevância para o tema é complicado, exige infraestrutura e planejamento que não temos como dispôr. Muitas vezes gravamos quando abre um espaço na agenda de todos. Por isso mesmo, normalmente, independente do assunto tratado, expomos nossas opiniões com a maior sinceridade possível. Assim como recebemos mensagens nos chamando de “problematizadores”, “justiceiros sociais” e “esquerda caviar” por não trazer representantes do conservadorismo para discutir opiniões políticas, também recebemos reclamações como a sua. É normal, mas preferimos errar e acertar pelo nosso trabalho e não pela omissão.

  • Filipe Bortoletto

    Homossexualismo não amores! Homossexualidade, sufixo “ismo” supõe que somos afetados por uma doença. Sei que foi sem querer, mas tomar mais cuidado. <3

    • martonsantos

      Escorregada mesmo Filipe. Sempre vale o puxão de orelha.

    • Wellington Vitorino

      Não, errado. O sufixo “ismo”, nesse caso, está relacionado a uma tendência ou corrente de pensamento. Erro é quando usam a palavra “homofobia” para criminalizar a quem se opõem ao uso da sexualidade como bandeira político partidária.

      • Filipe Bortoletto

        Independente amigo, o sufismo “ismo” jamais deve ser usado para descrever gays e afins, primeiro porque não é uma doença e segundo porque também não é uma tendência ou corrente de pensamento. Tal como se fala heterossexualidade se deve falar homossexualidade. Não existe motivo aceitável para usar o sufismo “ismo” para descrever homossexualidade é ofensivo!

    • Pai Mei Reverso

      Feminismo então é uma doença?? Hehe, eu sempre soube…

      • Filipe Bortoletto

        Feminismo é uma tendência, corrente de pensamento como definiu o amigo abaixo… portando se justifica o uso do “ismo”, ao contrário da homossexualidade que não é uma tendência nem mesmo corrente de pensamento é apenas um termo que designa nossa sexualidade, já se perguntou porque não usam o termo heterosexualismo? pois é…

  • Vinicius Marini

    Só pra avisar que o Bruno não foi solto definitivamente. O que aconteceu foi o cancelamento dá prisão preventiva. Isso porque depois de já estar preso há 6 anos ele anda não foi condenado definitivamente, já que só foi julgado na 1a instância. O TJ-RJ ainda não julgou o recurso dele que, em tese, poderia reverter a condenação. Assim, já que no Brasil, conforme a constituição, qualquer cidadão será considerado inocente até decisão definitiva do judiciário (embora o STF entenda que a condenação em 2a instância já justifique o início do cumprimento da pena) entendeu-se que não havia razão para mante-lo preso até então. Condicional ele só poderá cumprir, por.bom comportamento ou qualquer outra razão, depois de definitivamente julgado. Então, o mais provável é que volte à cadeia quando a condenação for confirmada pelo TJ-RJ. PS: não concordo com a soltura, nem com a demora do judiciário para julgar o recurso, só estou esclarecendo as razões técnicas.

    • http://twitter.com/cenatosouza Cenato Souza

      Oi, amigo. Vc comentou em outro podcast sobre um comentário seu que foi apagado. Pois é. Não quis comentar lá pra não fazer falsas acusações… Mas… Desde que falei aquilo que vc leu lá, não tenho mais acesso ao podcast. Acho que meu IP foi bloqueado ou algo assim. Agora preciso baixar apenas episódios deles no trabalho. Como vc viu, não fiz um comentário agressivo. Vou ligar pra minha operadora, resetar meu modem e etc. Espero estar enganado…

      • martonsantos

        Salvo teu comentário ter siido preconceituoso ou com discurso de odio ele nao foi bloqueado. Fora isso o bloqueio hj acontece pelo usuario do disqus e nao pelo ip. Abs.

        • http://twitter.com/cenatosouza Cenato Souza

          Não foi aqui, Marton. Adoro vcs!!! Especialmente o “Léo T Santos” rs Comentei em outro podcast que tava me achando burro pq a pessoa que participou disse umas dez vezes que a metáfora do Mãe! era extremamente óbvia e eu não havia a entendido num primeiro momento rs
          A propósito, volta o Papricast “Niiiius”!! Rs

  • Gil Monteiro Novo Filho

    Pessoal, vamos pesquisar melhor da próxima vez para não cometerem injustiças. Um cara que vocês dizem foi inocentado, certo? Então, TALVEZ, ele seja mesmo inocente. Pensou quão problemático é ser acusado de algo injustamente? Vejamos por exemplo o caso do excelente “A Caça”.
    Woody Allen não chegou nem a ser indiciado. O laudo psicológico das crianças, na época do ocorrido, concluiu que não houve abuso. Ele não ficou em nenhum momento sozinho com as crianças no dia que a Mia Farrow alega que ocorreu o abuso. O próprio filho mais velho dele voltou a ter contato com ele, reconhecendo que foi influenciado pela mãe ao dizer que fora abusado. Mais uma coisa, sua atual esposa, a Soon-Yi, era maior de idade na época que começaram a ter um relacionamento e ela não era sua filha adotiva, era filha adotiva da Mia Farrow, ela era sua enteada. Sim, é um caso bizarro, mas tudo indica que foi uma traição seguida de vingança por uma ex-esposa inconformada. Recomendo esse vídeo do Pablo Villaça para apreciação: https://www.youtube.com/watch?v=zCDlTb9TeR8
    Quanto ao Chaplin, vamos lembrar da importância do contexto histórico. Quantas bisavós de pessoas da nossa geração não casou com 13, 14 anos? Não que seja uma coisa legal, mas era meio que “normal” naquela época, não tinha o impacto que tem hoje.
    Deixo claro aqui que, obviamente, sou veementemente contra todo e qualquer tipo de assédio, pedofilia etc.
    Gosto muito do podcast de vocês, e vocês fazem um trabalho super legal. Só seria legal um maior aprofundamento nas questões que tratam.

    • martonsantos

      Fala Gil, tudo bem?

      Quanto ao caso do TALVEZ: sim, TALVEZ, ele seja inocente. Tanto é que tratamos ele sempre como inocentado, falando sobre a mancha que Nate Parker tem por esse episódio no passado. O escândalo aconteceu sendo ele culpado ou não. O que não dá pra esquecer é que em muitos desses casos os réus são inocentados por uma presunção de culpa da vítima (mas ela beijou ele antes, mas ela aceitou ir com ele para o quarto, mas ela estava de roupa curta, etc, etc, etc). Muitos homens já foram inocentados de estupro por serem julgados por homens, com pensamento tão machista quanto o deles. Não alego que foi o caso, tanto que nem discutimos essa questão no programa, mas a mácula da acusação teve um efeito em sua carreira, e existe uma grande possibilidade de haver uma deturpação no mérito.

      Soon-Yi tinha 21 anos na época em que Mia Farrow descobriu o caso. Se eles começaram o relacionamento na época em que ela se tornou maior de idade, ai fica da inocência de cada um em acreditar.

  • Wellington Vitorino

    Só pra lembrar, se uma dessas mulheres portassem armas, nada disso teria acontecido.

  • http://www.lerpg.com.br The Nada, Gueto Vet.

    Caras, sério, muito bom o programa. Sou fã de vcs tem um tempo, mas como em todos os podcasts que ouço sou aquele ouvinte de feed ahahaha.
    Da pra entender bem a dificuldade de separar o talento com o caráter quando somos fãs de certas pessoas. Polanski por exemplo é um cara que dói pensar no que fez e as obras primas que tem (Woody Allen pra mim é só lixo do início ao fim ahahaha). Recentemente (acho que menos de um ano atrás), um dos cara que mais admiro no mundo da música fez um saudação nazista durante um show, Phil Anselmo do Pantera é sem dúvidas um dos maiores vocalistas da música pesada que já existiu, e Pantera provavelmente uma das melhores bandas de metal do mundo. Após sua ação eu passei uns 3 meses amargurado sem ouvir Pantera, eu simplesmente não queria “apoiar” alguém como ele. Voltei a ouvir pensando no legado da banda, e que talvez (por favor :D) os outros integrantes da falecida banda não iriam compactuar com essa atitude, ou qualquer desculpa que pudesse fazer com que minha consciência aceitasse ouvir de volta a banda ahaha

    Quando o goleiro Bruno foi preso eu tive muita dificuldade de acreditar, sendo flamenguista e pensando todo trabalho que aquele filha da puta fez pro clube, foi bem doído pensar que iam “tirar nosso goleiro”. Claro que meu pensamento estava completamente errado, mas eu acho que ilustra bem a grande dificuldade que nos causa quando criamos ídolos e esquecemos que eles são humanos capazes das maiores atrocidades.

  • Vera

    Sou ouvinte nova, descobri este podcast ontem, mas já viciei. Vocês fazem um trabalho criativo e inteligente, suas conversas são interessantes de ouvir e os comentários sobre os filmes me deixam curiosa. Parabéns!

  • Felipe

    Baa achei que o Leo ia falar do Louis CK e de como alguns stand up dele tomaram outro sentido depois das acusações.
    Achei o cast muito bom e nunca fiquem parciais, eu sou um dos que não concorda 100% com tudo que vcs falam nos casts mas gosto muito de ouvir opiniões diferentes..

    Não sou do RS mas pelo que entendi dessa campanha que tá rolando, “Arma pela paz”, parece aquela frase que no Brasil temos que lutar pela paz. Não acho que pena de morte daria certo por aqui simplesmente pq o estado é falho em defender e punir a população e por esse mesmo motivo acredito que deveria haver o direito ao porte de armas.

    Ótimo cast como sempre. Abraços

  • Cau

    É chover no molhado temos que reconhecer a misoginia nisso tudo. Porque tem uma lista de mulheres que ou foram abusadas ou cometeram algum delito, como a Wynnona, que foram boicotadas por anos pela indústria, como a Janet Jackson. São rechaçadas pela mídia só por denunciar, por exemplo. Enquanto que os homens – diretores, produtores, atores – são processados por casos sérios, acontece uma grande polêmica mas eles seguem suas vidas, sendo reconhecidos, enaltecidos e ganhando prêmios. Então, o que pesa MUITO, ao meu ver, é que a desigualdade de gênero na indústria cinematográfica é absurda. Só 30% das protagonistas são mulheres e o número é menor ainda quando a gente olha para os cargos de influencia na produção (9% diretoras, 2% cinematógrafas) e quem continua ganhando destaque são homens com processos, abusadores, violentos e escrotos (vamos só lembrar que Sean Penn enfiou a cabeça da Madonna em um forno). Não sei… não dá pra separar obra e criador, não da pra continuar passando pano para homens abusadores. Ótimo podcast btw

    • Felipe

      Bem nessa, não é assim tão difícil separar a obra do criador. Se fica tão claro que o Bruno não deveria receber proposta de clubes, então deveria ser óbvio que diretores/atores tbm não deveriam receber propostas de trabalhos..

      • martonsantos

        E se o escroto em questão fosse um médico que desenvolveu o único tratamento possível para salvar alguém que você ama? É fácil boicotar igual?

        • Felipe

          Baa, sério?primeiro que esse argumento serviria pra ganhar qualquer discussão. Pra salvar a vida da tua família é óbvio que nós nos submetemos a qualquer um. Argumentos desse tipo são usados, inclussive, pela turma mais raivossa das armas pra defender atrocidades e penas mais duras.

          E além do mais não falei que um torcedor do flamengo deva negar ou se envergonhar dos títulos que o Bruno ajudou a ganhar enquanto era goleiro (não sei se ganhou, não curto futebol), só acho que ele não devia se orgulhar caso o Bruno voltasse pro Flamengo.
          Pra deixar mais claro o que penso e usando teu exemplo, de um médico que desenvolveu avanços no meio científico, é só pensar em todos avanços na área médica que a Alemanha descobriu durante a II guerra, usamos todos eles mas não exaltamos que fez as descobertas..

          • martonsantos

            Então, é óbvio que esse argumento é forçado. É como a Lei de Godwin. Mas a ideia é mostrar que algumas áreas e, consequentemente, seus profissionais são mais sucetíveis a boicotes. Os uso dos resultados dos experimentos do Mengele foram alvo de um gigantesco debate ético e moral entre a sociedade científica. No final, chegou-se a conclusão (que eu concordo) que pior seria não tirar algo de bom, já que o sofrimento daquelas pessoas não iria desaparecer.

            É muito fácil boicotar o trabalho de um cineasta, em razão de algumas outras profissões. Você deixaria de fazer um grande negócio na compra de um apartamento cujo arquiteto matou alguém, por exemplo? O que quero dizer é que não assistir um filme é algo muito fácil, perante outros boicotes que teríamos que fazer em nome da justiça.

  • Raphael Lamour

    Cade o link do vídeo ? =(

  • MTZ

    tem link do video do justiceiro de xangai ae?? fiquei curioso :(

    • Raphael Lamour

      =(

      • martonsantos

        acabei de atualizar o post!

        • Raphael Lamour

          =)