O Senhor dos Anéis /// “Transformaram o livro em filme para pessoas de 15 anos”, diz filho de J.R.R. Tolkien

Na primeira entrevista em 40 anos, Christopher Tolkien, o filho de J.R.R. Tolkien (autor das sagas O Senhor dos Anéis e O Hobbit), quebrou o silêncio sobre as adaptações cinematográficas do espólio do pai.

Ele condena a forma como os estúdios comercializam os filmes e também o culto em torno deles:

Tolkien se tornou um monstro, devorado por sua própria popularidade e absorvido pelo absurdo do nosso tempo. O abismo entre a beleza e seriedade do trabalho, e o que ele se tornou, é demais para mim. A comercialização reduziu a nada o impacto estético e filosófico da criação. Para mim existe apenas uma solução: me afastar disso.

Eles tiraram as vísceras do livro, transformando-o em um filme de ação para pessoas entre 15 e 25 anos. E parece que O Hobbit seguirá esse mesmo caminho”, desabafou Christopher, hoje com 88 anos, à Le Monde.

Recentemente, a família de J.R.R. Tolkien entrou com um processo milionário contra a Warner Bros para impedir a criação de máquinas caça-níqueis, produtos digitais e até parques temáticos da Terra Média, legado este que Christopher tenta proteger.

O desgosto do filho com o universo cinematográfico de Tolkien é tanto que ele se negou a conhecer o diretor Peter Jackson, apesar do cineasta ter contribuído para o super aumento de vendas das obras.

Compartilhe
Comente
  • http://www.facebook.com/gorisfaria Góris Faria

    Imagine que vc é um roqueiro e escreve uma música íntima, mas íntima de verdade, da relação entre vc e seu filho. Aí, vc morre e tem de cuidar dos espólios do pai e a gravadora usa de recursos legais pra transformar aquela música em um funk requebrante e vc não aceita.

    Um funkeiro requebrante pode até se ofender e dizer que “que roqueiro babaca, como se a essencia de uma música fosse se perder só por que muda o estilo, o enfoque, o tom…” mas puxa, a obra é dele e de seu pai, ele prefere ser purista e continuar mantendo no estilo que seu pai amava…

    Dizer, “aposto que se o pai roqueiro estivesse vivo ia adorar um funk com a música”, sem saber que o roqueiro morto tbm tinha preocupações com a má utilização da sua música tbm é errado.

    Pessoalmente, li os livros primeiro e odiei as mudanças dos filmes, algumas no primeiro filme já destroem toda a coerencia do resto do filme. Tolkien curtia coerencia, as pessoas hoje não ligam pra isso. O filho curte coerencia e sabe que o pessoal de hollywood tá pouco se lixando pro que o pai queria, mas pra grana, entao, se ele nao precisa da grana, pra quê deixar destruirem a obra do pai?

  • alexandre

    velho babaca,as obras são de seu pai,DUVIDO que tolkien,e estivesse vivo não gostaria de ver suas obras na telona,acredito que os filmes(e foi o que aconteceu comigo)me impulsionou a ler os livros,que nós idos 2001,2002 e 2003 para mim eram desconhecidos da maioria da população brasileira e mundial!!!! os filmes além de dar visibilidade às obras deram muitooooooo dinheiro à esse velho gagá que não escreveu uma pagina de qualquer livro de seu pai!!!! os filmes são incontestavelmente bem-feitos!e muito DIFÍCIL passar toda à magia dos livros para as telas concordo,mas não é motivo suficiente para deixar de se fazer filmes em relação ao legado de tolkien!!!!!!

  • Lu

    Nossa, que mentalidade limitada!! Claro que o filme vai retratar a visão e o ponto de vista de Peter Jackson da história de Tolkien, mas isso não significa a perda da magia do universo d’O Senhor dos Anéis. Ou será que Christopher Tolkien não acredita que a obra seja forte o suficiente para suportar uma “hollywoodização” sem perder sua essência??

    Assistir aos filmes não vai apagar o que está escrito nos livros, pelo contrário, é sempre um algo a mais.