A Morte do Demônio /// Remake para uma geração que não sabe brincar

#sóquenão

#sóquenão

Evil Dead, ou A Morte do Demônio, como é chamado aqui no Brasil o filme de 1981, é um clássico do cinema. Não só por inovar em várias técnicas de efeitos especiais que seriam posteriormente aprimoradas e usadas amplamente pela indústria, mas também por conseguir algo raro: romper a barreira dos filmes trash e entrar definitivamente no imaginário da cultura pop mundial. O filme é tosco, tem interpretações ruins, uma edição problemática, foi feito com pouco dinheiro, tempo e recursos, mas é recheado de algo que não tem preço: alma.

O diretor uruguaio Fede Alvarez ficou famoso na internet com o curta-metragem Ataque de Pánico!, que mostrava Montevidéu sendo destruída por um ataque de robôs alienígenas, e assim acabou apadrinahdo por Sam Raimi, diretor e roteirista do Evil Dead original, e escolhido para tocar o remake/continuação. O próprio Sam Raimi revisitou sua obra em Evil Dead 2 (chamado aqui de Uma Noite Alucinante) e não teve os mesmos pudores em alterar tudo aquilo que julgou problemático, também fazendo um remake que não era remake ou uma continuação que não era continuação. Curioso, portanto, ver como o primeiro filme é tratado agora como cânone e homenageado à exaustão por um diretor novato mas extremamente competente. Novamente cinco jovens se hospedam em uma cabana no meio do nada e encontram o Necronomicon, ou Livro dos Mortos, que traz inscrições que, quando lidas em voz alta, libertarão um mal ancestral que passa a os dominar um a um. A diferença agora é que há uma justificativa muito bem explorada para a viagem: a reabilitação de Mia (Jane Levy) que, aparentemente fragilizada, acaba sendo a primeira vítima do “Demônio”, em uma cena que reproduz de forma brilhante uma das passagens mais polêmicas do filme orginal. Seu irmão, David (Shiloh Fernandez), a namorada dele, Natalie (Elizabeth Blackmore) e os amigos Eric (Lou Taylor Pucci) e Olivia (Jessica Lucas), demoram a perceber que os problemas enfrentados pela garota não são provocados pela crise de abstinência, mas sim por uma possessão demoníaca.

evildeadmiolo

O filme é muito bem executado e mistura bem o gore com o suspense, causando uma constante sensação de desconforto no espectador, mas ainda assim está longe de cumprir a promessa dos cartazes, que o chamavam de “O filme mais apavorante que você verá nessa vida“. Talvez isso aconteça justamente pelo esgotamento do gênero que o próprio Evil Dead ajudou a construir. Jovens presos em um lugar remoto, garotas desfiguradas possuídas pelo diabo, sangue e vísceras não impressionam mais como há 30 anos e isso não é um demérito para o filme. Seu problema é justamente se levar a sério demais, acreditando que ao suprimir o humor quase inconveniente das tomadas improváveis de Raimi, o filme se tornaria mais assustador. Não torna. Se a graça caricata e a interpretação canastrona de Bruce Campbell tomaram as rédeas da franquia original, a nova carece de um pouco de carisma e despretensão. E para quem acha que um filme assim não funcionaria hoje em dia, basta assistir ao excelente Arraste-me Para o Inferno, dirigido por ninguém menos que Sam Raimi.

Se esse remake ainda está muito acima da média da maioria dos filmes de terror produzidos nos últimos anos, carece de originalidade para se destacar, algo que é até injusto exigir de uma refilmagem, mas não a torna mais necessária. Alvarez parece tratar a franquia Evil Dead e tudo que ela representa com o excesso de zelo típico dos fã, o que acaba por agregar muito pouco à mitologia da série. Se nos anos 80 e 90 Raimi não teve medo de transformar a franquia que começou com um terror com um pé (e meio) no trash, para a fantasia cômica non-sense de Uma Noite Alucinante 3, agora parece que trilhar o caminho seguro da homenagem é a escolha certa para aproveitar melhor várias vindouras sequências. O novo A Morte do Demônio vai te deixar angustiado durante uma hora e meia dentro do cinema, mas não vai marcar uma geração e muito menos te deixar com medo do escuro na hora de dormir.

Compartilhe
Comente
  • http://www.facebook.com/tatiana.salomao.75 Tati Salomão

    Me diverti bastante vendo o filme. Pra mim o que dava agonia eram os sons do filme, tipo faca cortando carne e fazendo barulho de metal, rs. Dava “nervoso”, mas não medo. Me diverti, achei as homenagens e referências à obra original bem maneira. Mas o filme foi vendido errado e a galera que não sabia que o filme era remake e muito menos o que é filme trash, saiu do cinema achando tudo uma bosta. Que pena.

    • http://www.facebook.com/tatiana.salomao.75 Tati Salomão

      Correção: maneiraS… faltou o ‘s’ rs

  • f

    podre.

  • João

    Cara, na boa, discordo de você. Talvez não seja o filme mais assustador de todos os tempos, mas é um filme brilhante de um diretor que vai ascender e muito na industria cinematográfica. Acho que pecou sim, na falta do humor do original, que trazia uma coisa muito incrível para os filmes de terror, aquele humor canastrão e zombeteiro do Bruce Campbell. E ele faz uma pontinha nesse filme, no pós-crédito. Outro ponto que não concordo com sua crítica foi quando falou de Arraste-me para o Inferno. O filme é ruim, mal contado do início ao fim e extremamente desnecessário. Só porque é do Sam Raimi e se baseou no Evil Dead original não significa que é bom. O filme é exagerado mas não de uma forma divertida e extravagantemente estúpida igual ao Evil Dead. Esse remake é um clássico moderno para os amantes do terror. O Sam pegou tudo que havia de bom no primeiro e botou nesse remake, apenas tirando o humor. Quem curte um terrorzão gore/trash não tem como não se apaixonar por Evil Dead (a trilogia original e o remake).

  • lucas

    eu vi, nao é tao amendrontador como dizem… umas situações até idiotas mas nao é ruim :)

  • bibysh

    não tomei sustos nem fiquei com medo, achei o filme muito bom e muito nojento tbm.

  • marcio

    assisti ontem na estreia e sai pensando que realmente ele não cumpriu o que prometia, acho que as promessas de “O filme mais apavorante que você verá nessa vida” me fizeram criar expectativas demais. o filme é bom mas não chegou nem perto do que eu esperava, o original me deu mais sustos e me divertiu bem.

  • Kah

    Eu já baixei ,só falta assistir, só não sabia que era um remake ><