destaque

Godzilla /// O velho louco dos monstros gigantes.

Godzilla-2014

Chegou aos cinemas, nessa quinta-feira (15/05), a festa de aniversário de 60 anos do monstro gigante mais famoso do mundo. Godzilla pode estar virando um velho louco, mas deixou claro que ainda sabe como fazer uma boa festa e que não gosta de ver outro monstro gigante fazendo bagunça em seu quintal.

Não foi por acaso que o diretor Gareth Edwards foi escolhido para dirigir esse filme. Seu trabalho anterior, o excelente Monsters (2010), chamou atenção do público por trazer uma abordagem muito mais madura do que se esperava de um filme onde monstros gigantes, vindos do espaço, tomam conta da fronteira entre o México e os Estados Unidos. Por se tratar de um filme independente, Edwards conseguiu fazer um trabalho autoral, desenvolvendo personagens complexos com dramas nada óbvios.

O diretor era exatamente o que Godzilla precisava para seu novo filme, conseguindo afastar seu longa do ainda recente Pacific Rim (2013) e também dos antigos filmes japoneses, mas preservando a essência e as principais características do monstro. Por respeito ao filme atual, eu não vou nem falar sobre o filme de Roland Emmerich. Vamos fazer de conta que aquele exercício de vergonha alheia, com erros de escala e tudo mais, simplesmente não existiu.

Ainda nos créditos iniciais, fica claro que a existência do monstro/deus não era novidade para os militares. Fotos e vídeos deixam claro que Godzilla ja tinha o seu próprio reality show com uma platéia bem exclusiva, que monitorava cada passo seu. Essa platéia se torna menos exclusiva no momento em que mais monstros, até então em hibernação, são descobertos em uma escavação nas Filipinas e um deles escapa. Por uma questão do destino – ou por fome do monstro recém acordado – as vidas de Joe Brody (Bryan Cranston), seu filho Ford Brody (Aaron Taylor Johnson) e basicamente de toda a população mundial – afinal, são monstros gigantes!! – irão mudar para sempre.

maxresdefault

O Elenco do filme cumpre seu papel. Encabeçado por Cranston e Johnson, o filme também conta com Ken Watanabe, Elizabeth Olsen e Juliette Binoche. Falando nisso, não posso deixar de falar dos donos da festa: os monstros. Godzilla está simplesmente excelente. Ele realmente parece o avô dos monstros gigantes, uma vez que teve o seu design preservado. Estamos falando do bom e velho Godzilla de sempre, com braços e sua bunda gorda. Ja os “novos” monstros, que nada mais são do que uma releitura do antigo rival Mothra (ver Godzilla vs Mothra), possuem um design e uma postura mais “moderna”, lembrando de leve o monstro de Cloverfield (2008). Esse conflito de estilos eleva a simples briga entre dois monstros gigantes a outro patamar. É como se o bom e velho Godzilla tivesse voltado para recuperar o seu território e mostrar para esses novatos quem realmente é o macaco da bola azul (foi mal aí, King Kong).

58_6

Embora o filme seja bom, a busca pela maturidade de Godzilla no cinema prejudicou o ritmo da história que acaba ficando no meio do caminho entre a batalha dos monstros e o drama previsível dos personagens. Se em Monsters, Edwards teve espaço para trabalhar dramas não óbvios, aqui ele precisou focar em um filme para as massas, ou seja, com conflitos mais simples. No fim, o filme deixa a sensação de que poderia ter sido muito mais.

O roteiro, sempre que possível, deixa de lado algumas leis da física ou até mesmo a lógica para construir cenas de heroísmo. Mas sempre que você ficar com raiva disso, lembre-se que você saiu de casa para ver um filme de um monstro que possui aproximadamente 100m de altura. Enfim, gostando ou não do resultado final, você foi convidado para a festa de aniversário do Godzilla e seria falta de respeito ignorar o convite, nem que seja para falar mal depois.

Compartilhe
Comente
  • Geison C. B. de Quadros

    Assisti o filme procurando o Godzilla do SBT dos anos 90. A repaginada ficou ótima. A propaganda me enganou com o Heisenberg mas beleza, é um bom filme.

  • Régis

    Já não estava muito empolgado pra assistir, e agora depois de ler a critica, vou deixa pra ver em blu-ray

  • Anderson

    Ótima resenha!

  • Wanderson Barcelos

    Eu li esta matéria (ótima por sinal) com a voz do Léo na cabeça! :] Agora vou tomar meus remédios.

  • Renato Siqueira Marques

    Excelente crítica…péssimo filme (minha opinião)…
    Caraca, não me empolguei, não sei se eu estava com muito sono ou se o ritmo estava muito lento no começo…mas sei que dormi uma boa parte do filme…algumas cenas de batalhas são até que legais, mas no geral achei muito fraco.
    Pra mim seria no máximo nota 6.

  • Aline Azevedo

    Curti o comentário sobre o filme, Léo! Confesso que não sou a maior fã de Godzilla, mas adoro uma boa história e monstros/robôs gigantes.
    Achei ruim que os personagens, como você disse, têm dramas muito óbvios e “clichezentos” e não conseguimos nos conectar emocionalmente a eles. Daí vc pensa “Ok, mas vim aqui para ver um monstro gigante”… e eles quase não aparecem.
    Pessoalmente não recomendaria como filme para ser visto no cinema, pois não achei que valia o investimento. Mas pra quem curte, pode valer :)

  • Artie

    Excelente crítica do Leo, fui ver o filme na estréia ontem e vou ver amanhã de novo! Realmente, o filme tem falhas, mas acho que os pontos altos( de 100m de altura) compensam e muito os erros pontuais. Espero ansiosamente pela continuação! ( que façam por favor!)

  • Victor Ladewig

    Excelente texto!!
    E ajudou a calibrar minha expectativa, que estava acima do nível!!

  • http://www.dmatrix.com.br Everton Souza

    Depois dessa não tem jeito, vou ter que ir ver o filme… Valeu…

  • Tati Salomão

    Excelente texto! Parabéns, Léo!!

  • ana carolina afl

    Resenha excelente, Léo, parabéns!!!

  • Rogerio Rocha

    Eu assiti hoje, e achei muito bom. É claro que não é perfeito mas mostra exatamente o que eu queria ver dos monstros. E quanto aos humanos, como posso dizer, eu fiz o mesmo que os Kaijus fizeram e nem dei atenção para eles. Numa nota de 0 a 10 eu daria entre 7,5 e 8,2. Traduzindo é um filme muito bom,tem falhas e dava para fazer melhor mas os erros, defeitos ouncoisas que poderiam ter sido feito melhor não compromete o que eu queria ver. Então sai alegre do cinema :-)

  • Lucas Freire

    Ainda pretendo ver o filme, mas essa última frase quis dizer que você não gostou, Leo?